Ambientação
Estamos em Setembro de 2357. O inverno começa a dar os primeiros sinais de sua chegada. Ventos frios vindos do norte trazem consigo a neve e fortes tempestades. Até quando você aguentará a pressão? Acessem o Discord do Mutosphera! Link: Aqui!
Novidades
12.08
O evento é simples, chame amigos e ganhe prêmios incríveis por isso e aproveite seus amigos também ganham prêmios. Evento por tempo ilimitado. Acessem!

31.08
Trama Oficial criada, leiam e divirtam-se, mas lembre-se, a morte está a espreita. Acessem!

04.09
Evento novo criado, não perca a chance de ganhar muita experiência e dinheiro! Acessem!

Últimos assuntos
» Registro de Mutação
Sab Out 28, 2017 5:41 pm por Salem P. Sullivan

» Dúvidas e Sugestões
Sab Out 28, 2017 5:29 pm por Salem P. Sullivan

» Tópico de Parcerias
Dom Out 22, 2017 3:26 pm por Joy Chouinard

» Flood
Qua Out 18, 2017 2:24 am por Tyler Wood Montgomery

» [Evento] Incentivo
Qua Set 27, 2017 7:58 pm por Magneto

» [Missão Fixa] Mia M. Adamatti
Sab Set 23, 2017 10:46 pm por Mia M. Adamatti

» [Evento] Duas Vezes Mais
Sab Set 23, 2017 1:33 pm por Mística

» Fiscalização de Mutações Restritas
Qui Set 21, 2017 8:47 pm por Arya Blackwalker

» [RP] — Rebel Heart [FECHADA]
Qui Set 21, 2017 8:46 pm por Arya Blackwalker

» Excessive Panic — Missão Narrada Difícil para Bryan von Schönborn
Qui Set 21, 2017 4:17 am por Mística

Awards
Mutante
Melhor Herói
Mutante
Melhor Vilão
Mutante
Melhor Anti-Herói
Mutante
Melhor Heroína
Mutante
Melhor Vilã
Mutante
Melhor Anti-Heroína
Mutante
TOP Nível
Afiliados

Elite 14/60
Créditos
Skin feita por Hardrock de The Captain Knows Best

Enfermaria

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Bryan von Schönborn em Dom Set 10, 2017 10:54 am



I Can't Go On Without You
BlackHole
Bryan tinha se envolvido em uma briga feia, pois chegou a sustentar bons ferimentos. Afinal de contas, lutar contra três mutantes ao mesmo tempo e logo em seguida enfrentar um com super força. não era uma das coisa mais fáceis de se fazer. Com o resto de forças que ele tinha, chegou em direção a enfermaria e a primeira coisa que fez, foi avistar um médico, pelo o que ele pode ouvir da conversa, ele se chama Julian.

— Será que tem como você dar uma mãozinha aqui? — Bryan levantou a camisa, mostrando um corte considerável o qual ainda escorria muito sangue — Acho que não era isso ficar assim né?

— Coloque-o em uma maca e leve pra sala 03 — o homem que se chamava Julian olhou com um pouco de preocupação e logo ordenou a enfermeira para guiar Bryan para uma das salas — E quanto a você, não se mexa muito, logo estarei na sala.

Não passou muito tempo e o homem entrou na sala, com Bryan deitado em uma maca, ele preparou uma bandeja com instrumentos médicos e na outra alguns curativos como atadura e até mesmo morfina.

— Pelo que pude ver aquela hora, você se envolveu em uma briga certo? — o médico já estava experiente e podia dizer com apenas um olhar quando os machucados eram provenientes de uma briga. — Bom, isso não importa muito, apenas coloque os dados nesse papel enquanto eu preparo as coisas.

Julian entregou uma prancheta com uma caneta e papel para o jovem mutante, já continha alguns dados que ele devia preencher, como nome, tipo sanguíneo, qual dormitório ele residia, entre outras coisas mais. Assim que terminou de arrumar os utensílios, ele retirou o papel já preenchido das mãos de Bryan e o colocou sobre a mesa. Pedindo para que Bryan removesse a camisa, o mutante fez assim como pedido, então Julian começou a limpar o machucado com gases e álcool para que não infeccionasse. Com uma agulha e um pouco de linha, ele começou a juntar o ferimento do mutante, aplicando uma série de pontos e assim que terminou, colocou cuidadosamente um curativo sobre os pontos, constituído de esparadrapos e gases, para evitar o contato do ferimento com algo que pudesse infeccioná-lo.

— Está feito, então eu espero que tome mais cuidado da próxima vez — Julian não podia deixar de suspirar ao ouvir essas palavras, afinal de contas ele sabia que cedo ou tarde esse mutante iria retornar — Você pode ficar aqui para descansar ou caso queira pode ir direto para seu dormitório, o ferimento já foi estancado então não  há riscos contanto que não faça muito esforço, caso contrário seu ferimento irá abrir novamente.

Bryan apenas concordou com a cabeça e fez um sinal de cruzar os punhos, agradecendo silenciosamente ao médico, então ele tornou a deitar-se e ficou na própria enfermaria enquanto terminava de se recuperar.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Mística em Seg Set 11, 2017 1:24 pm


AVALIAÇÃO

— Coerência e Coesão: 17/17

— Estrutura e Fluidez: 17/17

— Objetividade e Adequação: 16/18

— Ortografia e Organização: 16/18

Total adquirido: 70 HP/MP

Bom dia Bryan, você foi bem e está adequado a proposta da enfermaria, continue assim. Recuperou todas as suas energias restantes. ♥

Seu personagem fica com HP: 120/120 e MP: 120/120

AVALIADO E ATUALIZADO POR MÍSTICA

avatar
Admin
Ficha :
[url=LINKDAFICHA]Ficha[/url]
Mensagens :
273

Mística
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Bryan von Schönborn em Seg Set 11, 2017 3:55 pm



I Can't Go On Without You
BlackHole
Não fazia muito tempo desde que Bryan visitou a enfermaria pela primeira vez, mas ele já estava pronto para ir de novo, não porque ele queria, mas porque o grupo de expedição se preocupava com ele, então o arrastou direto para lá. Por sorte, não era um dia muito movimentado, então ele logo conseguiu ser atendido e por incrível que pareça, foi novamente Julian, parecia que ele era o único médico do local.

— Então Julian, você adivinhou corretamente.
— dizia Bryan com um pouco tímido, pois sabia que não se passaram nem dois dias e lá estava ele novamente machucado — Mas você errou a circunstância, eu não briguei...

Julian não pode deixar de suspirar, pois ele percebeu que esse mutante seria uma visita frequente por aqui, pois ele conseguia se machucar rápido demais.

— Mesma coisa da última vez, vá para aquela sala e preencha a ficha que logo eu irei lhe atender — dizia Julian enquanto terminava de atender os outros pacientes.

Pouco tempo se passou desde que Bryan havia terminado de preencher a ficha e Julian entrou na sala, porém dessa vez os ferimentos eram leves, não passavam de escoriações. Uma bandeja já pronta com todo o material necessário estava ao lado. Com algumas aplicações de álcool para evitar de infeccionar as feridas, ele colocou uma atadura envolvendo a mão de Bryan e logo a selou com uma fita branca. Assim que acabou, ele deu um sorriso apologético para o jovem mutante e logo começou a falar.

— Dessa vez foi bem mais simples, então espero que demore mais pra aparecer aqui... — Julian falou com um tom brincalhão e continuou — Porque desse jeito, você vai acabar virando meu assistente por aqui.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Magneto em Seg Set 11, 2017 6:51 pm


AVALIAÇÃO

— Coerência e Coesão: 13/13

— Estrutura e Fluidez: 14/14

— Objetividade e Adequação: 14/14

— Ortografia e Organização: 14/14

Total adquirido: 55 HP/MP

Boa noite Bryan, você foi bem e seu post está adequado a proposta requerido pela enfermaria, continue assim. Recuperou todas as suas energias restantes.

Seu personagem fica com HP: 140/140 e MP: 140/140

AVALIADO E ATUALIZADO POR MAGNETO

avatar
Admin Boss
Mensagens :
281
Idade :
99
Localização :
Em todo lugar

Magneto
Ver perfil do usuário http://mutosphera.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Tamara Sauvage em Qui Set 14, 2017 8:44 am




you are your only limit
i could set this world on fire and call it rain





T
amara apoiou uma das mãos na fachada da Enfermaria, sentindo a dor na costela direita cutuca-la impetuosamente como lembrete. Um nó se formou na testa enquanto reprimia o gemido que dava lugar ao costumeiro cântico de xingamentos. A morena inspirou devagar e expeliu o ar pela boca. Pelo o que ela percebeu, estava com o lábio cortado, alguns hematomas no rosto e nas costelas, mas provavelmente, Julian encontraria mais alguma coisa que a faria rir da própria desgraça. Aprumou o corpo e estufou o peito, mesmo que estivesse nas últimas, ela não deixaria sequer transparecer tal estado. A enfermeira-assistente a olhou pelas frestas dos óculos de grau e arqueou a sobrancelha, talvez imaginando o que a garota aprontara desta vez. Tamara esboçou o riso conspiratório e caminhou direto para uma das macas. Se permanecesse em pé por mais alguns minutos, muito possivelmente despencaria no chão feito uma boneca de pano.

A enfermeira-assistente se apressou para preencher a ficha da paciente e minutos depois, Julian surgia na saleta, segurando uma bandeja com antisséptico spray, pílulas para dor, bandagens, pinças, um pacote de gazes e seu lindo sorriso como acompanhamento extra. Por reflexo, a jovem se posiciona na beirada da cama com um sorriso sonolento, no entanto, seus olhos brilhavam em alerta. O Doutor a examinou mais uma vez e assinalava a cada marca e ferida na pele bronzeada. — Pensei que não a veria tão cedo. — Falou o homem, borrifando um pouco do conteúdo no algodão e, em seguida começou a limpar o rosto dela. Tamara aperta a boca e franzi o nariz, na tentativa de não demonstrar a ardência repentina que tomara na pele. — Não me importo de vê-lo todos os dias, Doutor. — Respondeu ela, vendo-o soltar um ligeiro sorriso. O atendimento prolongou-se no silêncio. Julian era extremamente ágil e prestativo, ele sabia que qualquer vida na Cúpula valia a pena ser salva, não importando o caráter do indivíduo. Aplicou a pomada nos hematomas dos braços, costelas e costas, ofereceu um antiiflamatório e um tônico energizante — um xarope de gengibre e limão —, com gosto tenebroso e, por fim, enfaixou o antebraço esquerdo da garota. — Dessa vez é quase novinha em folha. — Gracejou ele.

Tamara esfregou os olhos e fez uma careta. Ela estava cansada, mas não queria dormir, sua mente lhe dizia que deveria estar em outro lugar, teria de treinar ainda naquele mesmo dia. Abriu a boca e soltou um grande bocejo e, num segundo, amaldiçoou-se por isso, apertando os lábios com força. — Deve ser os efeitos do antiinflamatório. Descanse, quando acordar se sentirá melhor e, então, estará liberada. — Tamara não podia negar ao sorriso de Julian e sequer ao sono que lhe atingia como socos e pontapés. Praguejou mentalmente mais alguns segundos e aquiesceu, concordando. Aconchegou o corpo na maca e fechou os olhos. Deu um pulo quando uma sonora pancada ecoou pela sala, seguida pelo leve ruído de algo que se espalhava pelo chão. Olhando para baixo, Tamara viu fragmentos de um vaso de cerâmica branco. A enfermeira-assistente dava uma bronca em um garoto que tinha o braço completamente enfaixado. A morena franziu o cenho quando mirou o relógio na parede, dormira por mais de três horas. Praguejando em voz baixa, ela levantou com um pulo e se despediu tanto de Julian quanto a enfermeira com um aceno de mãos, pois cedo ou tarde eles se veriam de novo.
avatar
A rebeldia
Ficha : Mensagens :
70
Localização :
Em seus sonhos.

Tamara Sauvage
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Vampira em Qui Set 14, 2017 11:08 pm


AVALIAÇÃO

Tam esse texto está muito bem descritivo adorei, bem eu não vi nenhum erro em seu texto e devo dizer que está muito bom e bem organizado <3

— Coerência e Coesão: 30/30

— Estrutura e Fluidez: 31/31

— Objetividade e Adequação: 32/32

— Ortografia e Organização: 32/32

Total adquirido: 125 HP/MP

Você fica com 170/170 HP e 170/170 MP.

AVALIADO E ATUALIZADO POR VAMPIRA
avatar
Narradores
Ficha :
[url=LINKDAFICHA]Ficha[/url]
Mensagens :
22

Vampira
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Mia M. Adamatti em Sex Set 15, 2017 7:25 pm


Meu sangue colore o tecido que cobre meu braço direito com pontos vermelhos — um lembrete indesejado de que eu não sou invulnerável e que de fato sangro como uma humana comum, apesar das habilidades sobre-humanas. Alguns mutantes parecem esquecer disso, mais confortáveis na sua ignorância de acreditar serem deuses indestrutíveis e inalcançáveis do que na verdade. Eu, por outro lado, tenho plena consciência de até onde minhas capacidades podem salvar minha pele, e não tenho pretensão alguma de ultrapassar o limite.

Ainda assim, cá estou eu, adentrando a enfermaria da cúpula. O motivo de minha presença se deve a insuficiência de utensílios médicos ao meu alcance, o que me obriga a procurar uma ajuda profissional — algo que normalmente não faria. Caso possuísse os curativos e remédios de que preciso, poderia eu mesma cuidar de meus ferimentos tal como sempre fizera. Mas o destino parece ter outros planos para mim.

Sinto uma ardência nos braços e costas, provocada por algumas leves escoriações resultantes de minha mais nova façanha: encontrar um mapa perdido no subsolo. Não me arrependo, no entanto, de fazê-lo. Se aquilo me levasse para fora da cúpula, teria feito quantas vezes fosse necessário.

O lugar está mais vazio do que eu esperava, mas ainda assim há várias pessoas circulando nos cômodos; enfermeiras, pacientes, visitantes. Vejo vários rostos familiares, mas me detenho no que me parece ser o balcão da recepção. Uma mulher mais velha do que eu está sentada atrás dele, mexendo em uma organizada pilha de papéis que imagino serem fichas para controle dos mutantes que por aqui passam diariamente. Minhas suspeitas provam-se corretas quando ela me estende uma folha e pede que eu preencha, prometendo que o doutor me atenderá logo em seguida.

A caneta desliza pelo papel, sustentando minha caligrafia cuidadosa conforme preencho as lacunas distraidamente. Não é nada com que eu deva ficar alarmada. Apenas dados básicos. Ao fim do preenchimento, sou conduzida para uma sala adjacente na qual há uma cama surpreendentemente mais macia do que a que tenho em meu dormitório.

As paredes são brancas e o cômodo é pequeno e pouco mobiliado, com apenas um abajur e um simples armário com suprimentos além da cama. Estou lutando com a exaustão que ameaça me levar para a escuridão do sono quando um homem entra no quarto, trajando um jaleco branco que me diz exatamente quem ele é sem que precise perguntar.

— Doutor — cumprimentei. Ele traz consigo uma prancheta que estou certa de conter a ficha que acabei de preencher lá fora.

— Meu nome é Julian, Mia — ele responde, não sem um sorriso cordial. É mais velho do que eu, mas vejo em seus olhos uma ingenuidade que perdi há mais tempo do que consigo me lembrar. — É Mia, certo?

— Certo — concordo, oferecendo-lhe um de meus astutos sorrisos. Como resposta, Julian caminha até o armário, vasculha seu interior e de lá retira uma dúzia de itens que não me preocupo em prestar atenção.

O Doutor se prova uma pessoa bastante agradável de conversar, além de um habilidoso profissional de sua área conforme eu o assisto tratar meus ferimentos nos minutos seguintes. A ardência some como mágica, mas a sonolência aumenta após ingerir algum medicamento que ele me pede para tomar. Julian esteriliza as feridas e as cobre com curativos cuidadosos, perguntando como consegui cada uma. Por fim, me oferece algumas vitaminas que, segundo ele, devem me ajudar a recuperar as forças consumidas pelo uso de meus poderes nos próximos dias. São apenas algumas pílulas, já que nossos suprimentos são escassos e outras pessoas também precisam delas, mas agradeço-o com sinceridade antes de sair, prometendo obedecer sua indicação de descansar algumas boas horas no dormitório.

Despeço-me com a certeza de que retornaria em breve; se não por ferimentos, para conversar com o adorável doutor Julian.
ALL BLOOD, NO TEARS
sometimes, you've got to bleed to know that you're alive and have a soul
avatar
A resistência
Ficha : Mensagens :
30
Idade :
18

Mia M. Adamatti
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Mística em Sex Set 15, 2017 7:33 pm


AVALIAÇÃO

— Coerência e Coesão: 27/27

— Estrutura e Fluidez: 27/27

— Objetividade e Adequação: 28/28

— Ortografia e Organização: 28/28

Total adquirido: 110 HP/MP

Eu amei o seu post Mia, ele é simples, mas é um simples bom e bonito. Narrou perfeitamente suas ações dentro da enfermaria e por isso você fica com o seu HP e MP cheio, Mia.

AVALIADO E ATUALIZADO POR MÍSTICA
avatar
Admin
Ficha :
[url=LINKDAFICHA]Ficha[/url]
Mensagens :
273

Mística
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Balle Wollchevik Albackey em Sab Set 16, 2017 6:42 pm


Levando em conta todo o orgulho que o loiro possuía, ali seria o ultimo lugar em que realmente daria as caras. Sangue seco que acobertava seus punhos, hematomas espalhados sobre seu rosto e as caretas carrancudas que deixava escapar sempre que firmava seu pé direito sobre o solo; nada dava a crer que estava em boas condições, caso contrário nunca teria recorrido por ajuda.

Esforçou-se para chegar até a recepção, onde o cheiro deprimente infestou suas narinas e o fez se lembrar do quando a vida era medíocre dentro daquele local, achava até mesmo hilário o fato de não ter se conformado com tal ato ainda. Balle sempre odiou suas limitações, isso o fazia repensar em seu lado humano e no quanto era vulnerável, obviamente encontrar uma enfermagem vazia o deixava aliviado, mas ser o único ali no momento era humilhante.

Uma ultima careta de dor foi esbanjada quando parou frente ao balcão, fechou ambos os olhos, franziu sua testa e mordiscou seu lábio inferior antes de tentar escondê-lo ao passar sua mão destra sobre o rosto. O motivo pelo qual estava ali era mais do que certo, o que não levantou questionamentos por parte da senhora por trás da mesa, onde logo lhe estendeu uma caneta e uma folha. Tudo o que precisava fazer era deixar seus dados por ali. Com dificuldade segurou e traçou uma escrita rude, seus punhos tremiam e mal conseguirá manter algo legível, se não tivesse se esforçado o preenchimento não teria saído como esperado.

Após a parte burocrática foi guiado por uma sala, se sentou sobre uma das macas presentes e permaneceu ali ao aguardo. Naturalmente apenas deitaria, descansaria e aguardaria as feridas se curarem naturalmente, mas o seu estado agora era complicado, havia passado um pouco da conta e então teve de cessar com suas atividades de imediato. Permaneceu ali, seus orbes voltados contra o solo, suas pálpebras forçavam-se a fechar continuamente, a luz forte lhe incomodava e somente incrementava a sensação de exaustão que seu corpo proporcionava.

Brevemente um rangido se levantou pelo quarto, a falta de mobília e presença fez com que o som ecoasse de maneira hostil, seguidamente o som de sapatos o acompanhou. – Balle? – Pronunciou uma vez masculina, a qual fez com que o jovem voltasse sua atenção ao tal. A primeira vista era fácil de distinguir o mesmo como um médico, ele trajava branco e carregava alguns utensílios que nem fazia idéia de como se chamavam junto a si. Apenas assentiu com a cabeça, identificando-se. – Prazer, sou Julian. – Disse o homem enquanto caminhava até um armário, começou a retirar alguns fracos e colocá-los acima de uma bandeja de metal, assim como algodões e esparadrapos.

Nunca havia passado pela enfermaria antes, o que fez questionar-se sobre a origem daquele homem. Quais suas motivações para fornecer atendimento para pessoas que nem ao menos conhece? Isso realmente não se encaixou na mente de Balle, jamais conseguirá compreender o fato de ajuda ser voltada sem uma recompensa.

– Eram quantos? – Desta vez se aproximou, depositou a bandeja acima de uma pequena cômoda e começou a despejar um líquido acima dos algodões. – Cinco... – Disse sem muita empolgação, tratava aquilo como algo natural, alem de demonstrar certa desconfiança com o doutor. – Vai demorar para cicatrizar? – Perguntou no momento em que Julian lhe passou um algodão sobre o corte em seu supercílio. – Bom... Tudo o que vai precisar é de um bom descanso e procurar se cuidar um pouco mais da próxima vez, as cicatrizes não vão sumir de imediato, mas isso não é um problema. – Então seguiu passando o algodão. O loiro franziu a sobrancelha e se contorceu por conta da ardência, mas conforme o procedimento foi se acostumando.

Em poucos minutos o médico terminou de lhe aplicar os curativos, esterilizou seus ferimentos e aplicou alguns gaze, assim remediou as contusões sobre seus punhos. Havia lhe pedido para que descansasse e foi exatamente isto que fez, deitou-se sobre a maca e fechou seus olhos. Estava exausto e rapidamente pegou no sono.

O tempo que passou dormindo não era de seu conhecimento, todavia podia afirmar que foi mais que o suficiente para lhe proporcionar um pouco mais de forças. Levantou-se e notou que não havia mais ninguém presente nas macas restantes, esticou os braços e percebeu que já não mancava mais. O certo era agradecer ao médico ou outro funcionário qualquer, mas decidiu se retirar sem dialogar com mais ninguém.

avatar
A resistência
Ficha : Mensagens :
18
Idade :
21

Balle Wollchevik Albackey
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Mística em Qui Set 21, 2017 4:02 am


AVALIAÇÃO

— Coerência e Coesão: 32/32

— Estrutura e Fluidez: 32/32

— Objetividade e Adequação: 33/33

— Ortografia e Organização: 33/33

Total adquirido: 130 HP/MP

Você faz posts adoráveis Balle, sua escrita é cativante e o seu jeito de narrar me anima e muito! Meus parabéns.

AVALIADO E ATUALIZADO POR MÍSTICA
avatar
Admin
Ficha :
[url=LINKDAFICHA]Ficha[/url]
Mensagens :
273

Mística
Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Enfermaria

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum